Tag Archives: monguices

Gripe

5 Jun

Essa é a sexta gripe que pego neste ano, o que dá uma média de uma gripe ao mês.
Não agüento mais ouvir minha mãe reclamando que eu não me cuido, que eu ando “sem roupa”, que eu lavei a cabeça de manhã e saí para a rua ou que não estou me alimentando direito. ¬¬

Assim eu observo que, segundo a minha mãe para eu nunca mais pegar uma gripe, certos passos deveriam ser seguidos como:

  1. 1. Comer muito: quanto mais comida eu comer, mais vitaminas terei em seu corpo, logo mais forte eu vou ficar.
  2. 2. Andar sempre “entrouxada”: não importa se eu vou à academia, vou dar uma aula ou vou ficar em casa, o segredo é sempre andar com roupas suficientes que impeçam o meu movimento normal.
  3. Tomar banho frio: porque o banho quente aquece de mais o nosso corpo e depois, quando vou para a rua após o banho quentinho, levo um choque térmico, o que vai fazer com que a minha imunidade despenque. 😛
  4. A partir das 19h, vou ficar em casa: isso significa que após este horário, não irei mais sair para a rua, pois é a hora que a temperatura começa a cair fortemente aqui no sul do Sul.
  5. Nunca mais vou lavar o meu cabelo: de manhã é ruim porque saio do quentinho do banho para a rua e de noite porque não devo dormir com a cabeça úmida;

Pois é… acredito que até o fim do ano ainda rolam mais outras seis gripes. ¬¬

"EU ODEIO TOMADAS!"

15 May

Mais uma vez eu enfatizo essa frase: “EU ODEIO TOMADAS!”
Eu não sei o porquê que elas me perseguem, mas sempre me dou muito mal com elas.
Desta vez eu quase incendiei o pensionato onde estou morando.
Vou tentar explicar o fato mesmo estando com uma vontade terrível de quebrar tudo aqui na volta. >:(((

Tudo começou quando meu pai resolveu me dar umas “sopas prontas” para eu cozinhar no pensionato das irmãzinhas aqui da Unisinos (a mãe achava que eu estava me alimentando mal…tststs, mas sabe ela que eu vivo de panquecas :)). No entanto, eu o avisei que eu não costumava cozinhar, principalmente pelo fator “tempo”. Só que, então, ele teve a brilhante idéia de me dar um RABO-QUENTE a fim de otimizar o meu “serviço” e o meu tempo, fazendo com que eu o usasse para fazer a sopinha na xícara (que ele também havia comprado para mim).

Já que era um presente, eu tive que aceitar e o levei assim, rumo São Léo. Pela noite, enquanto eu escrevia meu projeto e colocava minhas dúvidas no iBook para apresentar para a Suely (minha orientadora), bateu “aquela fome” de comer uma sopinha, bem quentinha (ainda mais com o friozinho). Resolvi fazer.

Ressabiada com tomadas (como sempre), antes de qualquer tentativa, resolvi ligar para o meu pai e para o Fred para que eles me explicassem como usar o rabo-quente (sim, eu nunca tinha usado um, apesar de ter feito veterinária tb). 😛 Após a explicação, tudo me pareceu simplérrimo de mais…e eu uma medrosa compulsiva (na verdade queria mesmo saber se eu tinha a possibilidade de tomar choque colocando aquele troço na tomada e na água).

Após os telefonemas, confiante, resolvi fazer. Momentaneamente eu pensei em colocar do lado da cama, na mesma tomada do meu iBook, afinal, a sopa ficaria pronta e quentinha do meu lado, evitando o trabalho de ter que me levantar. No entanto, o meu anjo da guarda mandou uma mensagem do outro mundo para que eu não usasse a mesma tomada do meu notebook da Mac. Assim, fui para a tomada que fica embaixo da mesinha das folhas dos xérox do mestrado.

Preparei passo a passo (repassei mentalmente o que eles tinham me falado no telefone) , coloquei água na xícara, li como se preparava a sopa (mexer por 15 segundos após ferver e tal…) e ok! Pronta para começar. Lembrei que o pai falou que a voltagem estava ok (ainda mais depois da minha primeira experiência de incêndio real quando resolvi colocar a minha CPU NOVA no apartamento da Raquel no período em que fui morar lá e ela explodiu devido a voltagem errada, gerando um incêndio em pequenas proporções).

Então, lá fui eu. Coloquei o rabo-quente na tomada….
De repente (quase que instantaneamente) começa aquele típico barulhinho de curto (tztztztztztztz) e… “pluuuuuuffffff”, o troço começa a incendiar e a levantar um fogaréu no meu quarto!!!!

“Rápido!! Pensa rápido, Rebeca!!” – Foi a primeira coisa que me veio na cabeça. O que eu fiz?? Saí correndo porta a fora do quarto, mas não gritei (isso não faz parte do meu ser…odeio escândalos). No entanto, no meio do caminho eu pensei (tudo isso em questão de segundos): “sua monga…tu fez a monguice, agora vai arrumar sozinha…imagina o que vão pensar de ti? Uma louca que está tentando prender fogo na casa das irmãzinhas!!”.

Resultado: voltei correndo para o quarto. Nessa hora, o fogo já estava maior e, quando eu olhei para aquele troço incendiando, me dei conta que ainda estava na tomada! Pensei rápido de novo: “oh, não!!! Se eu não tirar aquilo da tomada, aí sim, vou fazer um super curto-circuito e vai explodir a pensão toda!!!”. Aí, cheguei na tomada, meio que “chutei”o rabo quente para o lado para ele não me queimar e literalmente arranquei o troço da tomada (mesmo assim me queimei). Então, saí correndo com o rabo-quente incendiando na mão e levei para o meu banheiro. Joguei na pia e abri toda a torneira.

PRONTO! O fogo foi apagado e, ao mesmo tempo, uma super fumaça tomou conta do meu quarto. Nessa hora olhei minha cara no espelho do banheiro e vi que eu estava cinza (não sei como isso aconteceu, mas quando olhei para o ar, ele estava cheio de coisinhas pretas voando…tipo micro-carvões). Saindo do banheiro, como se não bastasse, vi que eu tinha ESQUECIDO UMA PARTE DO RABO QUENTE NO CHÃO (acho que caiu quando saí correndo, sei lá…). Isso significava que o meu quarto estava prendendo fogo ainda e, um pedaço da cortina da janela também!!!! “E agora??? Não tem onde eu segurar pra levar esse troço para debaixo da água.”

Lembrei dos filmes que as pessoas se atiram e saem rolando quando estão prendendo fogo (calma, eu não fiz isso), e então pensei em pisar em cima do fogo para ele apagar. 😛 Fiz isso e depois joguei uns panos de chão na cortina, até o fogo sumir. Graças ao meu anjo novamente, eu apaguei tudo. Nessa hora meu coração estava no cérebro já.

Foi então que resolvi sentar na cama e respirar um pouco. De repente, olho para os meus pés e….(não, eles não estavam prendendo fogo…aí sim, né…seria muito azar para um único ser)….e “oh não!!!!” Eu estava com as botas novas da minha mãe. O que isso significa? Eu queimei uma parte delas, logo, um mega xingão ia rolar quando eu voltasse para Pelotas (ainda mais que eu nem tinha pedido emprestado). E como se não bastasse, o meu iBook estava cheio dos “micro-carvões”. Resolvi passar um pano em ambos (botas e iBook) e o resultado foi pior. O troço se espalhou mais, deixando meu branquinho cheio de pontos pretos e com aparência de imundo e as botas como se eu estivesse chutado tijolos pretos. Fiquei triplamente de cara.

Nessa hora resolvi ligar para o Fred e dizer o que aconteceu quase que chorando de raiva e também para entender o que poderia ter ocorrido. Como se não bastasse (de novo), fui taxada de mais monga ainda porque, a causa de tudo, simplesmente, foi quando eu liguei o rabo-quente e não o deixei na água, ou seja, o correto seria colocar ele na xícara com água primeiro e depois colocar na tomada. Só que, nenhum dos dois (pai e namorado) avisaram-me deste “detalhe” e nem deram ênfase para isso, o que faz com que eu conclua que ambos queriam que eu torrasse no pensionato das irmãs. Não tinha como eu saber se eu nunca usei isso e nunca prestei atenção nos outros que usavam (ainda mais que, eu juro, não tinha “siga as instruções” no rabo-quente).

O resultado de tudo isso, foi uma limpeza de 1h no meu quarto (e mesmo assim não consegui limpar tudo), o não término do meu projeto, botas queimadas, iBook cinza, cortina com pedaço comido pelo fogo, micro partículas de carvão no ar (o que significa que o chão, a cama, as cobertas, as folhas…tudo ficou preto), caneca queimada, rabo-quente estragado, rosto e roupas pretas, panos sujos por tentar limpar, auto-estima destruída por ter me dado conta da burrice que cometi e, finalmente, “adeus sopa”. Admito, literalmente perdi o apetite, fui dormir com fome e concluí, mais uma vez que: “EU ODEIO TOMADAS”.

E lá vamos nós!

11 Mar

Amanhã começo a minha vida de pós-graduanda. 🙂
Tenho que admitir que estou bem empolgada para isso. No entanto o meu mais terrível medo é não conseguir chegar na UNISINOS (sim, podem rir, mas eu nunca fui pelo metrô e sozinha como terei que ir). 😛 Sei que basta uma vez para a gente não esquecer mais, mas já pensou se eu me perco? Teria que voltar tudo de novo e gastar horrores. :/ Uma vidinha! Mas, para isso, levo um mapinha que confeccionei. 😀

Bom, vou ficar hospedada na casa de umas freirinhas. Elas são bem simpáticas e o meu quarto é tri. Ele é pequeno, mas tem um banheiro só meu e a decoração é VERDE (amo verde!). O próximo passo para fazer com que ele fique 100% é colocar a banda larga da Claro no meu MacBook. Aí sim, fecha todas 😀 (é, espero que ela seja boa).

O local onde vou estudar é no Centro 3 da UNISINOS, na comunicação. Aí tem um mapa da universidade onde mostra os centros e tal (a comunicação é no “E” em azul). Quem tiver interesse de saber onde e como funciona o mestrado e doutorado, é só olhar o site da comunicação. 😛